quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O lixo

Viu passar o bicho
na superfície do terreiro.
Comia dos sacos de lixo.

Viu passar o bicho.
Prestou atenção no destino.
Comia restos no lixo.

Era uma fome de cão...

Viu passar o bicho,
indo matar sua fome
nos sacos cheios de lixo.


Viu passar o bicho!
Como Bandeira, assustou com isso:
cenário de busca de pão.
Era homem, não era cão.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
JULENI ANDRADE

Um comentário:

Tequinha disse...

Parabéns!! Amo poesias que retratam a realidade social.
Que Deus continue a te iluminar.
Beijossssss