quinta-feira, 3 de setembro de 2009

POUCO A COMEMORAR

Independer ou vir a morrer,
chavão que só o papel aceita...
a dura realidade é sofrer,
vendo a solta correr a peita.

Liberdade ainda que tarde...
no lombo danosa filharada,
a escravidão ainda que arde,
na lavoura tosca alquebrada.

Acreditar no país do futurão,
Acreditar em país da maresia,
Acreditar na terra da fantasia,
Acreditar, crer, mera ilusão...

Contentamento ou alienação ?
Brava gente só no futebol...
cestas básicas compõem ação,
só salva por enquanto o sol.

Verde virando e cheirando cinza,
amarelo nas mãos da minoria, bisa,
vista muito, muito grossa,
atinar que a mata é nossa,
floresta tende a queimar
incultos, tendem a teimar.

Crer que vai melhorar sem educação,
Crer que vai melhorar sem distribuição,
Crer que vai melhorar com corrupção,
Crer, acreditar, pseudo doutrinação...

PAULO MAC INTYER

Um comentário:

"o poeta disse...

Adorei esses seus versos...De uma postura crítica posta delicadamente por mão feminina,
mas que é um grito de respeito...
Uma cobrança. Precisamos introduzir poemas como este, "Pouco a Comemorar", nas escolas públicas autores atuais...
fazer isso com mais intensidade e abnangência. Mesclar os imortais com os atuais...