quinta-feira, 28 de maio de 2009

Salvem o Brasil!
---------------------------

Às margens do que era um rio...
algo foi dito, ou não dito.
_ E, o povo?
Não gritou, nem ouviu!
Se o tal Sol brilhou, ninguém viu.
***
_ A Liberdade, a igualdade, quimeras são?
Se é forte o braço, arrebenta o laço?
_ O braço é forte! Carrega o fardo!
O peito desafia o dia a dia...
***
O sonho é sonhado, ainda!
Amor e esperança... esperamos que desçam
à Pátria do cruzeiro, do cruzado, do real...
onde as nuvens negras escondem constelações.
***
Bronzeia-se, o gigante verde amarelo...
deitado ao Sol da América Latina.
Belo e forte, dentre os demais explorados
pelo mercantilismo civilizador de outrora.
***
_ São mais ricas as suas matas?
_ Cobiçadas, são! E, não as guarda!
Corta sem dó! Abrem pastagens e lavoras...
Transformam madeira em metal!
***
_ A justiça é forte? A paz futura chegou?
_ Do passado cantam supostas glórias...
E, aqui no tal futuro:
a Lei é assassinada pela impunidade.
***
Mas, é terra adorada, amada, querida...
ao menos de quatro em quatro anos,
quando as flâmulas esvoaçam à cada gol!
***
Salve! Salve!
Pátria amada, idolatrada...
Terra adorada!
Salvem o Brasil!
----::::----::::----::::----::::----
JULENI ANDRADE

Um comentário:

Anthero Sady disse...

Amiga,linda poetisa,gostei tanto de tua poesia que tive a ousadia de publicá-la em meu blog.Espero que aproves.Sady Mac

http://buscandosonhos.com.br/salvem-o-brasil.html